Início Medicina alternativa Musicoterapia – Para que serve esta prática?

Musicoterapia – Para que serve esta prática?

755
0
COMPARTILHE
musicoterapia

A música é capaz de estimular e despertar emoções, reações, sensações e sentimentos, possibilitando a abertura de outros canais de comunicação.

A musicoterapia é a terapia que faz uso da música, ou de parte dos seus componentes: da melodia, do som, do ritmo e da harmonia.

Isto com o objectivo de alterar positivamente o estado emocional, físico, comportamental e cognitivo através das respostas ativadas pela música.

Possivelmente a terapia mais usada inconscientemente por todos nós.

Indicações:
Os musicoterapeutas trabalham com uma gama variada de pacientes. Entre estes estão incluídas pessoas com dificuldades motoras, autistas, pacientes com deficiência mental, paralisia cerebral, dificuldades emocionais, pacientes psiquiátricos, gestantes e idosos.
Processo: 
O processo da musicoterapia pode desenvolver-se de acordo com vários métodos. Alguns são receptivos, quando o musicoterapeuta toca música para o paciente, outros ativos, ou seja, o próprio paciente toca os instrumentos musicais, canta, dança ou realiza outras actividades com o terapeuta.
As sessões podem decorrer em contexto individual ou de grupo, de acordo com as necessidades terapeuticas dos pacientes.
Aplicações da musicoterapia:
  1. Gravidez;
  2. Perturbações da aprendizagem;
  3. Perturbações da personalidade;
  4. Perturbações do comportamento;
  5. Perturbações afetiva e de humor;
  6. Prevenção e estimulação precoce;
  7. Transtornos da idade avançada;
  8. Défice de atenção e concentração;
  9. Perturbações do desenvolvimento infantil;
  10. Transtornos neurológicos e reabilitação física;
  11. Deficiências mentais, físicas, sensoriais e múltiplas;
  12. Público em geral.

Saiba ainda que…

Os tratamentos com a musicoterapia abrangem a improvisação musical, a audição, a composição, a discussão, a imaginação, a interpretação e a aprendizagem através da música.

O paciente não precisa de qualquer formação musical para poder beneficiar do tratamento e não existe um estilo particular de música mais terapêutico que outro; existe, sim, a prescrição.

A musicoterapia é um trabalho clínico terapêutico e não deve ser confundida com o uso da música para relaxamento ou prazer.

Há casos em que a música é composta especificamente para os problemas apresentados pelo paciente, atingindo as áreas que devem ser tratadas através da frequência emitida pelas notas musicais que activam respostas a serem interpretadas pelo terapeuta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here